sábado, 18 de outubro de 2014

Uma Biografia PUNK: Bikini Kill, as musas do Movimento RIOT GRRLL!

Bikini Kill "Girl Power" cover photo.





Breve Biografia:


       Bikini Kill foi uma banda americana de punk rock formada em Olympia, Washington em outubro de 1990. O grupo contava com a vocalista e compositora Kathleen Hanna, o guitarrista Billy Karren, a baixista Kathi Wilcox e a baterista Tobi Vail.
     A banda é considerada a pioneira do movimento riot grrrl, e era notória por letras com conteúdo feminista radical e performances incendiárias. O gênero musical da banda é influenciado pelo hardcore.  Após dois álbuns, vários EPs e duas compilações, a banda se separou em termos amigáveis em 1997. e 97, mas não chegou a gravá-las.
     Em abril de 1998 foi anunciado oficialmente o fim do Bikini Kill após uma carreira de 7 anos. Todos os ex-integrantes do Bikini Kill continuam ativos na música. Billy Karren, Tobi Vail e Kathi Wilcox lançaram um CD com uma coletânea dos singles lançados pelo projeto paralelo The Frumpies que eles mantém juntamente com a baterista Molly Neuman (da banda Bratmobile).2 3 Kathleen Hanna trabalhou com Joan Jett no disco Fetish de 1999. Também gravou um CD solo usando o nome Julie Ruin. Atualmente é vocalista da banda indie/feminista Le Tigre, que já lançou dois CD's e tem já um hit, "Deceptacon".






Discografia:



Álbuns:


"Revolution Girl Style Now!", cassete independente (1991)"Bikini Kill", EP, pela Kill Rock Stars (1991)
"Yeah, Yeah, Yeah, Yeah.", álbum dividido com a banda Huggy Bear e lançado no Reino Unido pela Catcall Records e nos Estados Unidos, pela Kill Rock Stars in the US (1993)
"The CD Version of The First Two Records", (1993)
"Pussy Whipped", pela Kill Rock Stars (1994)
"Reject All American", pela Kill Rock Stars (1996)





Singles:

"New Radio/ Rebel Girl", pela Kill Rock Records (1993)
"The Anti- Pleasure Dissertation", pela Kill Rock Records (1994)
"I Like Fucking/ I Hate Danger", pela Kill Rock Stars (1995)




Coletâneas:

"Kill Rock Stars", pela Kill Rock Stars (1991)"Throw: The YoYo Studio Compilation", pela YoYo Records (1991)
"Daddy's Li'l Girl", incluída em Give Me Back da Ebullition Records (1991)
"Suck My Left One", incluída em There's A Dyke In The Pit pela Outpunk Records (1992)
"Bikini Kill: The Singles" (1998)





Fonte: Wikipédia, a encilopédia livre: -> http://pt.wikipedia.org/wiki/Bikini_Kill



Texto escríto por ♀♀ Maria Rosa Dias ♀♀ (A.K.A ♀♀ Riot Vicious ♀♀), no dia 19/10/2014, ao som de “I Hate Danger"(Live on CBGB's) da banda de punk rock/ riot grrl noventista Bikini Kill (as biografadas da coluna!), diretamente para o Blog “Riot Vicious’ Blogspot”, marcando seu retorno como colunista do mesmo!






♀ STAY RIOT , GRRRLS!!♀





domingo, 5 de outubro de 2014

"Diário de Bordo de uma Manifestante Libertária: Parte 2"


  "Apontamentos sobre as eleições 2014, o assistencialismo barato do nosso "governo", nosso sistema  educacional falho e as alianças políticas que ocorrem por debaixo dos panos"



       Hoje ocorrem nossas eleições para presidente e demais cargos que regem a sociedade. Só devo ser sincera e dizer que diante do nosso quadro geral de candidatos (em todas as esferas) nada me anima a sair de casa e a perder meu tempo (SIM! PERDER MEU TEMPO!), e votar em quaisquer candidatos, pois todos estão potencialmente despreparados, em especial "nossos caros presidenciáveis" , sem conteúdo e sem foco, sem sequer um objetivo e ideais decentes para se colocar em um cargo tão valioso como este.
       Em três minutos de debate que assisti, só consegui me sentir enojada, envergonhada e cansada, diante de tamanha ignorância e desrespeito dos políticos para conosco. Afinal, para quem realmente assistiu com atenção e não apenas fingiu ver essa palhaçada (seja por TV ou internet, como eu fiz),  viu que o debate foi usado para lavar roupa suja e troca de agressões entre os candidatos, e não para defender e pôr na mesa propostas realmente úteis, consistentes e que possar mudar os rumos da sociedade.
      Isso só me fez pensar que, independente de quem vença, estaremos presos no mesmo beco sem saída de sempre, pois quem não tem opinião e argumentos fortes e bem construídos, não está apto a reger nação nenhuma.
      Estou com essa agonia entalada na garganta há tempos, mas só agora posso realmente gritá-la como quero, já que nenhum grilhão de emprego no estado/educação/ prefeitura/assistencialismo social me prende mais.
     Observe e pense: Esse assistencialismo barato com o qual a Dilma e toda a corja do PT compram votos é algo realmente útil  e saudável para a sociedade ou apenas mais um modo imperceptível de alienação cega da sociedade, arquitetado pelo governo?
    Eu já vivenciei o outro lado, e há famílias que valorizam mais esses "privilégios" recebidos pelo governo do que saber como anda a vida escolar de suas crianças e agir ativamente em prol da melhora da mesma, como bons pais ou avós cuidadores que deveriam ser, ou até mesmo acomodam-se e não fazem algo para seu próprio crescimento, por crer que eternamente o governo lhes dará o suporte de que precisam. Vi isso como educadora, e pelo pior lado possível que há a se enxergar esses casos.
    O sistema falha em todos os sentidos, e apesar de o professor ser desvalorizado, ele tem que carregar o peso da transformação do mundo e das pessoas nas costas, como sendo o responsável por tudo isso, já que políticos sem preparo só alienam e cegam o povo cada vez mais.
    Na minha opinião, a luta individual árdua vale mais do que receber as coisas de mão beijada e ser só mais um número para esse governo hipócrita e frio. E você, como número, será descartado dessa falsa ajuda assim que os governantes crerem ser necessário. E não pense ser muito considerado: quando você precisar ser demitido, por questões financeiras, você o será, e parte dessa falha se deve pelo fato de termos um governo perdulário e que gasta com o desnecessário (vide os inúteis gastos com a copa do mundo (propositalmente escrita com letra minúscula) e a falência financeira a que estes gastos nos levaram).
     Me dói ver as pessoas pensando em votar em um determinado candidato só para destituir o outro do governo. Será que ninguém vê as alianças sujas que ocorrem por debaixo dos panos e privilegiam a essa corja? As coisas funcionam de um modo muito simples: A direita se alia com a direita e a esquerda se alia com a esquerda. Partidos políticos e alianças públicas são um modo prático de cegar a população, sem que ela veja ou desconfie que, pelas costas, os supostos políticos "inimigos" se abraçam e riem da alienação e cegueira do povo, que está sempre sob suas rédeas, e acreditando pateticamente no que a mídia lhes mostra.
     Você acha que seu político escolhido é mesmo "da oposição" em relação a quem governa?  Ou só não enxerga a falha no sistema porquê é mais conveniente ser  "atendido assistencialmente" pelo governo enquanto, aos olhos dele,  você "precisar" para depois ser descartado como escória? Ou não vê porquê crê assim ser conveniente para você e acredita que as crises financeiras nunca abalarão sua vidinha medíocre? Enquanto as coisas continuarem assim, todos seremos medidos por classe social e não pela capacidade que temos de ir à luta e fazer por nós mesmos o que queremos. A mudança começa em nós, não nessa politicaiada fraca. Temos mais força do que imaginamos, basta arregaçarmos as mangas e deixarmos o comodismo de lado.  Pense bem, pois seu voto (apesar de obrigatório e pouco democrático, se analisado por este viés), ainda vale mais que as alianças sujas do governo que nos rege.







Texto escríto por ♀♀ Maria Rosa Dias ♀♀ (A.K.A ♀♀ Riot Vicious ♀♀), no dia 5/10/14, as 5h45 da manhã, , ao som de “Pátria Amada”, da banda de Punk Rock paulistana Inocentes, diretamente para o Blog “Riot Vicious’ Blogspot”, marcando seu retorno como colunista do mesmo!